MÍDIAS DE ACESSO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA E COM DEFICIÊNCIA VISUAL NA ESCOLA

Maria Terêsa Rocha TRIÑANES, Nilva Rodrigues do Prado SIMÕES,

Resumo


Resumo

Este trabalho foi realizado por uma professora habilitada em deficiência auditiva e uma professora habilitada em deficiência visual; ambas docentes de Salas de Recursos. O objetivo foi apontar as necessidades educacionais especiais (NEE) dos alunos com deficiência visual e com surdez para o trabalho pedagógico inclusivo da equipe escolar do Ensino Fundamental da rede pública estadual paulista. Sabe-se que a escola acessível exige uma ação educativa inclusiva que precisará de ferramentas específicas em didática e mídias (Ex.: Jaws, Dos Vox, Sistema Braille, Libras, audiolivros, cinema falado, etc.). Fundamentação teórica: baseada nos autores que defendem a inclusão como princípio de consciência política. Metodologia: caráter qualitativo com estudo da legislação da Educação Básica e do Atendimento Educacional Especializado frente à prática docente do ensino regular que pretende estar pautada na pedagogia histórico-crítica como princípio do currículo escolar comum que visa contextualizar com a educação inclusiva para com alunos com deficiência visual e com surdez. Apontamos: a necessidade de capacitação dos professores do ensino regular para que suas ações pedagógicas inclusivas sejam realmente emancipatórias para os alunos com NEE; e, a necessidade de fomento à educação especial como modalidade de ensino na educação básica concomitante à parceria com o serviço complementar de atendimento educacional especializado, concretizando um ensino de qualidade para todos.


Palavras-chave


Educação Especial; Deficiência Auditiva; Deficiência Visual

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel Gonzales. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BERNARDINO, Elidéa Lúcia. Absurdo ou lógica? Os surdos e sua produção linguística. Belo Horizonte, MG: Profetizando Vida, 2000.

BORDENAVE, Juan E. Diaz. Além dos meios e das mensagens – introdução à comunicação como processo, tecnologia, sistema e ciência. Petropolis, RJ: Vozes,1993.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1996.

______. CNE/CEB Parecer nº 17/2001 - Aprovado em 3-7-2001. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. UF: DF – Relatores: Kuno Paulo Rhoden e Sylvia Figueiredo Gouvêa. 2001.

______. Resolução SE 7, de 18-1-2006. Dispõe sobre a organização e o funcionamento da Escola de Tempo Integral. 2006.

______. MEC. Decreto nº 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do art. 60 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto nº 6.253, de 13 de novembro de 2007. 2008.

CAIADO, Kátia Regina M. Aluno deficiente visual: lembranças e depoimentos. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

CARVALHO. Rosita Edler. A nova LDB e a educação especial. Rio de Janeiro: WVA, 2007.

CITELLI, Adilson. Outras Linguagens na escola:publicidade, cinema, TV, rádio, jogos, informática. Coord. Geral: Ligia Chiappini. V. 6: 2ª Ed.: São Paulo: Cortez, 2001.

FÁVERO, Eugênia Augusta Gonzaga. Direitos das pessoas com deficiência: garantia de igualdade na diversidade. Rio de Janeiro: WVA, 2004.

GUARESCHI, Pedrinho A. Pressupostos psicossociais da exclusão: competitividade e culpabilização. In: SAWAIA, Bader. (org.). As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. 7ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007. p. 141-156.

MARTÍN, Manuel B.; RAMIREZ, Francisco R. Visão subnormal. In: MARTÍN, Manuel B.; BUENO, Salvador Toro. (orgs.) Deficiência visual: aspectos psicoevolutivos e educativos. São Paulo: Livraria Santos Editora, 2003. p. 27-44.

NOVAES, Edmarcius Carvalho. Surdos: educação, direito e cidadania. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2010.

MÍDIA ACESSÍVEL. Tecnologia para deficientes visuais. Disponível em: http://www.slideshare.net/midiaacessivel/ tecnologia-para-deficientes-visuais. Acesso em: 08. ago.2010.

SILVA, Ynaray Joana & TORRIELLO, Luciano Biaggio. Rádio e educação – um diálogo possível. In: CHIAPPINI, Lígia & CITELLI, Adilson (orgs). Aprender e ensinar com textos não escolares. São Paulo: Cortez, 1997.

STROBEL, Karin. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis, SC: UFSC, 2008.

TAVARES, Fabiany de Cássia. Estudo comparado das perspectivas conceituais das salas de recursos e de apoio: evoluções e tendências. UFMS/PUC-SP. In: Anais: 26ª Reunião ANPED. GT nº 15. Educação Especial. 2004.

TRIÑANES, Maria Terêsa R. Nós sem nós: alunos com deficiência visual na escola de tempo integral. 2009. 149 fl. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Campinas, 2009


Apontamentos

  • Não há apontamentos.