PERFIL DE PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE DOWN DA APAE DE MOGI GUAÇU – SP

Danyelle Cristine MARINI, Nathálí de Fatima ROCHETTO, Silvio Cesar MIRANDA

Resumo


A Síndrome de Down é uma ocorrência genética natural, que acontece em um a cada 700 nascimentos. O material genético em excesso (localizado no par de cromossomo número 21) altera o desenvolvimento regular da criança. A expectativa de vida dos pacientes com Síndrome de Down saltou para 56 anos, e, já não causam surpresa aqueles que ultrapassam os sessenta ou mesmo os setenta anos. O objetivo deste trabalho é construir um perfil para análise de algumas questões que envolvem os portadores da Síndrome de Down. O trabalho foi realizado na unidade da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Mogi Guaçu mediante a aplicação de um questionário aos responsáveis pelos portadores matriculados na instituição. No presente estudo, verificou-se que a maioria das mães tinha entre 30 e 40 anos no momento da gestação. Sabe-se que a idade da mãe está bastante relacionada com a probabilidade de se ter uma criança “down” e que o tempo de gestação nada influi no caso. Exames pré e pós-natais são relevantes para o diagnóstico precoce da síndrome para sua posterior análise, e também o início dos cuidados terapêuticos deve ser feito o quanto antes para o bom desenvolvimento da criança. Pacientes com a Síndrome de Down são portadores de outras patologias associadas, sendo as mais frequentes as cardiopatias e as complicações respiratórias. No presente estudo, 55% dos portadores apresentavam complicações respiratórias. Observase que, com a atuação de uma equipe multiprofissional e a do farmacêutico, os problemas relacionados aos medicamentos possam ser solucionados, possibilitando a melhor aderência aos fármacos utilizados.
Palavras Chave: Síndrome de Down. Medicamento. Tratamento. Atenção Farmacêutica.

Texto completo:

PDF

Referências


LEWIS, R. Genética Humana. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

MANCINI, M.C. et al. Comparação do desempenho funcional de crianças portadoras de síndrome de Down e crianças com desenvolvimento normal. Arq. Neuro-Psiquiatr., São Paulo, Jun. 2003 . Disponível em . Acesso em: 25 ago. 2009.

MOREIRA, L.M.A; EL-HANI, C.N; GUSMAO, F.A.F. A síndrome de Down e sua patogênese: considerações sobre o determinismo genético.Rev. Bras. Psiquiatr. São Paulo, jun. 2000. Disponível em . Acesso em 24 ago. 2010.

OLIVEIRA, E.A., Síndrome de Down. Rio de Janeiro, 2001. Disponível em . Acesso em: 23 em jul. 2010.

OSÓRIO, M, R, B.; ROBINSON, W, M. Genética Humana. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

SCHVARTSMAN, S. Intoxicações Agudas. 4ª ed. São Paulo: Sarvier, 1991.

THOMPSON, M.W., Genética Médica. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

VILAS BOAS, L.T.; ALBERNAZ, E.P.; COSTA, R.G. Prevalência de cardiopatias congênitas em portadores da síndrome de Down na cidade de Pelotas (RS). Jor. Ped., Porto Alegre, Out. 2009. Disponível em . Acesso em: 20 ago. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.