MONITORAMENTO E MEDIDAS EDUCATIVAS A PACIENTES HIPERTENSOS NO MUNICÍPIO DE ENGENHEIRO COELHO

Danyelle Cristine MARINI, Ana Paula LOUZA, Márcio Lúcio Dias PEREIRA

Resumo


A hipertensão arterial é definida como pressão arterial sistólica maior ou igual a 140 mmHg e diastólica maior ou igual a 90 mmHg. Trata-se de uma patologia silenciosa que pode desenvolver sérias consequências, embora possa apresentar caráter assintomático. Um indivíduo com pressão arterial elevada por períodos longos desenvolve o aumento da massa muscular em seu coração, favorecendo o aparecimento de arritmias cardíacas e insuficiência cardíaca congestiva. O presente estudo teve por objetivo realizar o monitoramento da pressão arterial dos pacientes hipertensos, promover medidas educativas aos mesmos, identificar o estilo de vida, grau de escolaridade, IMC, consumo de sódio e cafeína e a prática de atividade física, orientar e estimular o uso racional de medicamentos, promover a adesão ao tratamento farmacológico, estudar as possíveis interações medicamentosas e realizar a intervenção farmacêutica quando essa for necessária. Os dados foram coletados na cidade de Engenheiro Coelho na residência dos pacientes cadastrados no Programa de Saúde da Família e usuários de terapia anti-hipertensiva. Os resultados obtidos apontaram que a maioria dos pacientes eram mulheres (90%), com idade entre 51 a 67 anos, sendo 50% analfabetos, bem como 80% não realizavam atividade física e 60% consumiam sódio além do recomendado, 2g por semana, e 80% consumiam cafeína diariamente. Em relação ao monitoramento da pressão arterial houve diminuição considerável, o que indica a necessidade do profissional farmacêutico atuando no Programa de Saúde da Família em conjunto com uma equipe multidisciplinar.

Palavras-chave


Medidas Educativas. Hipertensão Arterial. Atenção Farmacêutica. Anti-hipertensivos. Níveis Pressóricos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, C. R.; CASAL, S.; OLIVEIRA, B. Benefícios do café na saúde: mito ou realidade. Revista Química Nova. Porto, V. 32, 2009, 2170-2180.

ARRAIS P. S. D.; O Uso irracional de medicamentos e a farmacovigilância no Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 18, 2002. Disponível em: Acesso em: 16 jul 2011.

CESARINO, B. C. et al.. Abordagem educativa sobre restrição salina ao pacientes hipertensos. Arquivos Ciências Saúde. Rio Preto, v. 11, 2005, p. 234-237.

DALLACOSTA, M. F.; DALLACOSTA, H.; NUNES, D. A.; Perfil de hipertensos cadastrados no programa Hiperdia de uma unidade básica de saúde. Unoesc & Ciência. Joaçaba, v. 1,2010, p. 45-52.

ESTEVES P. J. et al , V diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial, São Paulo, 2007, 77 p. Disponível em: Acesso em: 13abr2011.

FONSECA, A, L.. Interações Medicamentosas. 4ª ed. Rio de Janeiro. EPUB, 2008, 243 -283.

LOLIO CA, PEREIRA, J. C. R., LOTUFO, P. A., SOUZA J. M. P.; Hipertensão arterial e possíveis fatores de risco. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 27, 1993, 357-362.

LYRA, J. D. P. et al. A Farmacoterapia no idoso: revisão sobre a abordagem multiprofissional no controle da hipertensão arterial sistêmica. Revista Latino Americana Enfermagem. Rio de Janeiro, 2006.

ROSEFELD, D, S.; Prevalence, associated factors, and misuse of medication in the elderly: a revew. Cadernos de Saúde Publica. 2003; 717-724.

SIMONETTI, P.J.; BATISTA, L.,CARVALHO,R. L.; Hábitos de Saúde e Fatores de Risco em Pacientes Hipertensos. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v. 10, 2002, p. 25-30.

SOUZA, V., V., BERTONCIN, F., L., S.,. Atenção Farmacêutica para Pacientes Hipertensos - Nova Metodologia e a Importância Dessa Prática no Acompanhamento Domiciliar. Sistema de Información Científica. 21ª ed. Alfenas, 2008, 224-230.

TEXEIRA, R. E. et al. O estilo de vida do cliente com hipertensão arterial e o cuidado com a saúde. Escola Anna Nery. Rio de Janeiro, v. 10, 2006, p. 35-40.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.