AUTOMEDICAÇÃO NO MUNICÍPIO DE AGUAÍ

Leandro de Oliveira Silva, Amábile Carolina Marques Martins

Resumo


A automedicação é o uso inadequado de medicamentos, ou seja, é a prática de se utilizar medicamento por conta própria, sem um acompanhamento de um profissional médico ou farmacêutico. Os resultados da presente pesquisa sugerem que a prevalência da prática da automedicação se faz presente no município de Aguaí-SP. Segundo a pesquisa realizada foram entrevistados 61
indivíduos, onde 45 (73,7%) praticam a automedicação, sendo que, apenas 16 (26,3%) procuram o médico quando os sintomas já se agravaram. Desses 45 entrevistados o índice de automedicação se destacou entre as mulheres com 67,78% (26). Portanto, para se traçar o perfil do cidadão que se automedica, foi realizada uma pesquisa em ambos os gêneros, com faixa etária, onde, o índice que se destacou foi entre 20 e 29 anos com 42,22% (19), grau de escolaridade se destacou o ensino superior incompleto
com 33,33% (15), em relação à renda familiar os que mais se automedicam estão na faixa de 1 a 3 salários mínimos 42,22% (19), o plano de saúde privado também pode ser considerado um problema na automedicação sendo que 53,33% (24) não pos-suem plano de saúde. Na pesquisa realizada os medicamentos que mais ganharam destaque foram os analgésicos com 50% (57), seguido pelosantiinflamatórios com 20,17% (23). E para finalizar foram verificados para quais patologias esses indivíduos praticam a automedicação e nesse quesito se destacou a cefaleia com 19,4%. Isso demonstra a necessidade de trabalhos de prevenção e conscientização sobre a automedicação, o uso adequado dos medicamentos à população.


Texto completo:

PDF

Referências


ARRAIS, P. S. D. et al. Perfil da automedicação no Brasil. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 31. fev. 1997.

BERTOLDI, A.D. et al. Utilização de medicamentos em adultos: prevalência de determinantes individuais. Revista de Saúde Pública. São Paulo, 2004.

BORTOLON, P. C. et al. Análise do perfil de automedicação em mulheres idosas brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 13, Jul./Ago. 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 338, de 6 de maio de 2004. Diário Oficial da União, 20 maio 2004.

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA. Perigos da automedicação. São

Paulo, 2014. Disponível em:

DORO, L. Uso irracional de medicamento. Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade (ICTQ), 2014.Disponível em:

uso-irracional-de-medicamentos>. Acesso em: 5 out. 2014.

FERREIRA, W.; SILVA, J. H. M.; PASCHOAL, L. R. Aspectos da automedicação na sociedade brasileira: fatores sociais e políticos. Infarma, Brasília, v. 21, nº 7/8, p. 46-50, 2009.

FILHO, A. I. de L. et al. Prevalência e fatores associados à automedicação: resultados do projeto Bambuí. Revista de Saúde Pública, 2002, v. 36.

GALATO, D; MADALENA, J; PEREIRA, G, B. Automedicação em estudantes universitários: a influência da área de formação. Ciências&Saúdecoletiva. Santa Catarina, 2012.

HEPLER, C. D.,STRAND, L. M. Opportunities and responsabilities in pharmaceutical care. American Journal of Health-System Pharmacy, v. 47, 1990.

JESUS,A. P. G. A. S., YOSHIDA,N. C. P., FREITAS,J. G. A. Prevalência da automedicação entre acadêmicos de farmácia, medicina. Enfermagem e odontologia. v. 40, nº 2, Goiânia, abr./jun. 2013.

LOYOLA FILHO, A. I, UCHOA, E., GUERRA, H.L, et al. Prevalence and 1. Corrêa TS, Santos KM, Galato D. Prevalence and management of headache in a selected area of Southern Santa Catarina. ArqNeuropsiquiatr 2010.

MARIN, N. Educação farmacêutica nas Américas. Revista Olho Mágico, Londrina, v. 9, nº 1, 2002.

MATOS, M. C. A. Auto-medicação. Portugal, 2005. Disponível em: <://www.

psicologia.pt/artigos/textos/TL0048.pdf > Acesso em: 8 nov. 2014.

PACHELLI, C. A. A propaganda de medicamentos e a prática da automedicação no Brasil. v. 37, nº 2, Rio de Janeiro, 2003.

REVISTA DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA SAÚDE; Automedicação. v.47,

São Paulo, 2001. Disponível em :

arttext&pid=S0104-42302001000400001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt> Acesso em: 5 nov. 2014.

SCHMID, B. et al. Automedicação em adultos de baixa renda no município de São Paulo. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 44, Dezembro 2010.

TOURINHO,F.S., BUCARETCHI, F., STEPHAN, C., et al. Home medicine chests and their relationship with self-medication in children and adolescents. J Ped 2008.

VIDAL, C. Automedicação. Revista Brasileira de Saúde de Ciência. n. 3,São Caetano do Sul jan/jun. 2014. Disponível em:

revista_ciencias_saude/article/view/552/396>. Acesso em: 7 nov. 2004

VILARINO, J.F. et al. Perfil da automedicação em município do Sul do Brasil. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 32. fev. 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.